XII – Narrativa Poética – PERO VAZ DE CAMINHA

O pequeno reino de Portugal acabava de mudar a História do mundo com o descobrimento do caminho marítimo para a Índia. Agora havia que consolidar o domínio dos mares, estabelecer pontes firmes com os potentados do oriente, tomar posse de novas terras a serem «descobertas» ou de cuja existência já se suspeitava. Foi nesse sentido que saiu de Belém, rumo a Calecute, a 9 de março de 1500, a poderosa armada de Pedro Álvares Cabral, levando a bordo o escrivão- mor Pêro Vaz de Caminha, homem íntegro, leal a El-rei, com o sentido do equilíbrio, imbuído de espírito de missão. A sul do equador, na margem ocidental do oceano Atlântico, achou-se uma terra paradisíaca, onde os homens e as mulheres tinham uma «inocência» que espantou os europeus, ainda muito marcados pelo espírito medieval. Coube a Pêro Vaz de Caminha escrever a Carta a El-Rei D. Manuel sobre o achamento de um novo mundo, a certidão de nascimento do que veio a ser o Brasil, uma grande nação de língua portuguesa com o tamanho de um continente. Continuando a armada a sua navegação para Calecute, onde se ia em busca de riquezas inimagináveis, nada mais se poderia comparar à visão do Paraíso, onde diferentes humanidades tinham confraternizado… O que valia mais? O ouro e as especiarias, ou o encontro com o «outro», em estado de «pureza», vulnerável, pronto a ser convertido à mensagem de Cristo? O escrivão-mor da armada de Cabral não tinha dúvidas de que a dignidade humana devia estar à frente da cobiça e da ambição, do espírito de saque que norteava muitos dos seus compatriotas.
Ed 1ª
11/17
Cp Dura
73 pgs
ISBN: 978-989-99889-2-7

9,00

cookie

Usamos cookies para proporcionar-lhe uma experiência melhor e mais personalizada.