XIX – Narrativa Poética – AGOSTINHO DA SILVA

Depois de uma infância passada numa ideia remota do seu país, onde faltavam os bens mais essenciais, um homem de notáveis qualidades obteve as mais altas classificações na escola e na universidade de uma cidade com uma forte tradição associada à liberdade. Segundo as suas próprias palavras, licenciou-se em liberdade e doutorou-se em raiva. Profundamente apaixonado pelas culturas clássicas, em que era perito, conhecedor de matérias variadas, da Literatura à História, das Ciências às Religiões e à Filosofia, quis levar o conhecimento ao povo e à juventude, escrevendo livros de informação e com conteúdos culturais que marcaram gerações. Parecia destinado a ser um professor universitário com uma vida rotineira e cinzenta, mas a sua irreverência e o seu apego à liberdade levaram-no a entrar em choque com o poder ditatorial e com a Igreja do seu país, vendo-se coagido a partir para uma ex-colónia, uma pátria-irmã do tamanho de um continente. Aí, no vasto país que partilhava a mesma Língua daquele onde nascera, teve a mais extraordinária aventura que se possa imaginar: passou por uma experiência de absoluta liberdade numa «Serra Sagrada», ajudou a fundar universidades, teve um papel importantíssimo no mundo académico, fez trabalhos ligados à biologia num famoso instituto, continuou a escrever livros e artigos para jornais e revistas, como fizera desde a juventude, amparou necessitados, deixou-se seduzir pelo messianismo popular e pela alegria de um povo generoso e acolhedor em que corria o sangue de toda a humanidade, correu o pais de sul a norte, com espírito de missão, chegou a ter influência na política externa do mesmo, estabelecendo pontes com África e com o oriente, sempre com base no amor à língua e à mensagem de um grande poeta que raiava de uma «pátria da língua» espalhada por todo o mundo. Por fim, já com a idade avançada, totalmente desprendido dos bens materiais e sem nunca se queixar dos caprichos do destino,antes dando graças a Deus pela obra realizada, veio a recolher-se ao pais de origem, onde sonhava com um império do Espírito Santo, fraterno, cheio de paz e de harmonia, cujo imperador seria uma criança – a criança que existe em cada ser humano.
Ed 1ª
10/19
Cp Dura
252 pgs
ISBN: 978-989-8998-01-9

9,00

cookie

Usamos cookies para proporcionar-lhe uma experiência melhor e mais personalizada.